Quinze


claudia

Foi um dia difícil, cheio de lembranças, simplesmente me deixei ficar nele. Sentei no sofá e lá fiquei esperando passar, a TV estava ali, ligada, as séries se revezavam, mas na minha cabeça os filmes eram outros.  Uma vida cheia de paralelos a nossa minha amiga, 15 é significativo para ambas, o nascimento do teu pai e o do meu único irmão, ambos falecidos, no mesmo ano. Sofremos juntas e superamos também, se é que uma ferida latente possa ser superada, acho que aos poucos nos acostumamos com a dor, de aguda passa a crônica e vamos levando os dias. Nunca perdemos a esperança e o otimismo, é uma marca nossa seguirmos em frente esperando dias melhores. Mas em abril de 2015 algo se quebrou em mim, não sei explicar, só sinto que nunca mais será igual, que, por mais otimista que eu seja, me roubaram boa parte da minha esperança. Sonhei contigo na véspera do dia 15, tinhas voltado, me dissestes que estavas na lagoa do peixe, era apenas uma explicação, nenhuma de nós estava feliz, sabíamos que a tua presença não era real, apesar de falar contigo. Sempre penso ser uma mensagem. Quando me falastes onde estiveras vi o sol brilhando acima dos juncos na água. É um lugar lindo. Essa noite foi difícil dormir, pensando em tantas outras coisas que nos aproximaram, no sonho, no que foi e nunca mais será… Parte de mim se apagou com o teu desaparecimento.