Inacreditáveis 5 anos


Esse é um texto de saudades e desabafos…

Senti tanta a tua falta, quando mudei para Brasília. Trocávamos cartas, era 1990, só tínhamos os correios e o telefone.

Éramos irmãs inseparáveis, final de semana, aniversário das crianças (as minhas), torcida nas carreiras, sair para compras, tomar café, lagartear com chimarrão, conversar a noite inteira… Andar de bicicleta pelo Laranjal.

A vida foi acontecendo para nós duas, mas os laços da amizade se fortaleceram na distância.

Laços que permitiam inclusive a respeitosa discordância. Continuávamos amigas e confidentes.

Lembro do orgulho recíproco por cada conquista nossa. Na dúvida, na hora das decisões, quantas vezes sentamos, para discutir o melhor caminho a seguir.

Estive contigo quando fostes buscar o primeiro carro comprado, coincidiu com uma ida a Pelotas. Amavas dirigir!

Ainda lembro do telefonema do meu filho, de madrugada, avisando, mãe a tia Cláudia está desaparecida. Nunca mais teríamos o teu sorriso.

No primeiro ano sobrevivi no automático. Minhas forças emocionais eram apenas para te defender.

Sim, eras atacada constantemente, na dignidade e honra.

Conheci o pior das pessoas nesse momento de dor. Ainda tento entender o porquê, em meio a tanto sofrimento, enfrentar tantas mentiras. Fiz uma pasta no computador de prints desonestos e enganosos.

As pessoas ignoram que nós, que sempre te amamos, lemos as atrocidades que escrevem sobre ti ou quando friamente descrevem o que provavelmente aconteceu contigo.

Sobrevivi, sobrevivemos a tua falta, nunca aceitamos, ficou o vazio, o interno e o externo.

Enxergamos e acompanhamos, há algum tempo, o mundo que te rodeava em decadência, resta a vontade de chorar…

3 pensamentos sobre “Inacreditáveis 5 anos

  1. Não conheço você e nunca conheci Claudia. Mas conheço a dor que aqueles que amam Claudia sentem. Uso o verbo no presente (amam), pois o amor desconhece o tempo é sempre é conjugado no presente . Mesmo sem conhecê-la lamento tanto sofrimento. Um dia recebi um e-mail perguntando se eu conhecia Claudia. A pessoa que enviou também não a conhecia e não sabia nada do desaparecimento. Queria saber dela porque nunca havia respondido e-mails autorizando uma publicação em que também é autora . Eu não sabia o que responder . Mesmo sem nunca ter visto Claudia fiquei impactada e sem saber o que responder naquele e-mail . Um fraterno abraço 🤗.

    • Olá, obrigada por escrever essas afetuosas palavras. Se tiver ainda este e-mail, peça para a pessoa entrar em contato com a BIOTEC/UFPEL, lá eles saberão orientar como proceder com a publicação. Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s